logo
Português (pt-PT)English (United Kingdom)
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
MUSEU
COLECÇÕES
EXPOSIÇÕES
SERVIÇOS E ACTIVIDADES
LOJA
NOVIDADES
INFORMAÇÕES

Autenticação

Partilhar

Facebook Image

 Google Arts & Culture

:: INICIO NOVIDADES
.:: Solistas da Metropolitana - Trios e Sonatas PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Quinta-Feira, 11 de Novembro de 2021 // 18:00 h

Solistas da Metropolitana - Trios e Sonatas Lurdes Carneiro (fagote barroco), Ágnes Sárosi (violino barroco), Diana Vinagre (violoncelo barroco) e Fernando Miguel Jalôto (cravo) são os “Solistas da Metropolitana” no regresso deste ciclo ao Museu Nacional da Música em 2021/2022. Obras de Telemann, Galliard, Schaffrath e Bach. A entrada é livre.

 

PROGRAMA

 

Na primeira metade do século XVIII, os pequenos agrupamentos instrumentais eram frequentes em muitos salões da aristocracia europeia e da classe média mais abastada. Ainda assim, fazer música sem a participação da voz cantada era na época um fenómeno recente, pelo que ainda prevalecia a ideia de que as melodias entoadas pelos instrumentos se dispunham como discursos sem palavras. Para o efeito, e à semelhança do que acontecia na ópera, nunca faltava uma sustentação rítmica e harmónica que garantisse a necessária liberdade para uma expressão eloquente. Tal apoio era garantido pelo «baixo contínuo», o qual se ouve neste programa confiado à dupla formada pelo violoncelo e pelo cravo. O fagote, que também cumpria frequentemente essa função, junta-se desta vez ao mais habitual protagonismo do violino. Reúnem-se assim as condições necessárias para partilharmos sonatas com uma e duas partes solistas – nestes últimos casos, são denominadas sonatas em trio. Em particular, os Solistas da Metropolitana trazem consigo partituras de quatro compositores. Destacam-se três peças de Telemann que demonstram bem a confluência do concerto italiano com o estilo galante. Provavelmente escritas em Hamburgo nas décadas de 1720 e 1730, distingue-se aqui a Sonata para Violoncelo que o músico publicou no periódico «O fiel mestre de música». A Sonata para Violino de Bach terá sido composta em Cöthen, em 1725. Já a Sonata para Fagote de Galliard leva-nos a Londres, ao passo que o trio de Schaffrath terá tido origem em Berlim, três décadas mais tarde.

 

GEORG PHILLIPP TELEMANN (1681-1767) – Sonata para Violino e Fagote, em Si Bemol Maior, TWV 42:B5 (data desconhecida)
I. Vivace
II. Siciliana
III. Vivace

 

JOHANN ERNST GALLIARD (ca.1666–87-1747) – Sonata N.º 3 para Fagote e Baixo Contínuo, em Fá Maior (1733)
I. Largo
II. Allegro
III. Spiritoso

 

CHRISTOPH SCHAFFRATH (1709-1763) – Trio Sonata para Violino, Fagote e Baixo Contínuo, em Dó Maior, CSWV E:20 (1760?)
I. Poco andante
II. Allegro assai
III. Allegro

 

JOHANN SEBASTIAN BACH (1685-1750) – Sonata para Violino e Cravo N.º 3, em Mi Maior, BWV 1016 (1725)
I. Adagio
II. Allegro
III. Adagio ma non tanto
IV. Allegro

 

GEORG PHILLIPP TELEMANN (1681-1767) – Sonata para Violoncelo e Baixo Contínuo, em Ré Maior, TWV 41:D6 (1728/29)
I. Lento
II. Allegro
III. Largo [minore]
IV. Allegro

 

GEORG PHILLIPP TELEMANN (1681-1767) – Trio para Violino, Fagote e Baixo Contínuo, em Fá Maior, TWV 42:F11 (data desconhecida)
I. Andante
II. Allegro

 


SOLISTAS DA METROPOLITANA

 

Ciclo que contempla a realização de concertos de entrada livre de Música de Câmara por músicos da Orquestra Metropolitana de Lisboa.

 

+INFO: https://www.metropolitana.pt