logo
Português (pt-PT)English (United Kingdom)
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
MUSEUM
COLLECTIONS
EXHIBITIONS
SERVICES AND ACTIVITIES
SHOP
WHAT’S NEW?
INFORMATION

Autenticação

Partilhar

Facebook Image

 Google Arts & Culture

.:: Chopin & Chopin por Mário Cordeiro PDF Print E-mail
Quarta-Feira, 10 de Novembro de 2021 // 18:00 h

Mário Cordeiro - Chopin & Chopin Apresentação do livro “Chopin & Chopin: vidas paralelas, de um músico e de um cão” da autoria de Mário Cordeiro, com a presença de Graça Mendes Pinto (Museu Nacional da Música), Bruno Caseirão (Universidade Nova de Lisboa), Catarina Fernandes (Centro de Recolha de Animais de Sintra), Jill Lawson (Colégio Moderno de Lisboa) e do autor.  Segue-se momento musical por Guilherme Reis Sá. A entrada é livre.

 

SINOPSE

 

Uma ficção sobre as vidas paralelas, de um músico e de um cão.
«– E que nome vai dar ao cão?
Fiz-lhe um sinal quase impercetível e ela compreendeu que ainda não tinha chegado a altura da decisão.
– Ele ainda não tem nome? – Voltei a perguntar, não que não soubesse a resposta, mas porque pretendia arranjar uma forma de ganhar tempo.
Fez-se silêncio e, amavelmente, a Dr.ª Catarina exclamou, adivinhando-me os pensamentos:
– Tem tempo. Não temos pressa… – depois, quase pediu desculpa – temos é de resolver o assunto até registarmos o chip, mas tenho umas coisas para tratar e já volto. Está bem para si?
Estava. Estava bem. Sentado na sala de espera do canil municipal de Sintra, eu olhava para o patudo, que me mirava também. Encolhido a um canto, tentando abrigar-se na pequena planta do vaso no outro canto da sala, o cão nem se atrevia a encarar-me. Ou encarava-me, de soslaio, quase tapando os olhos com a patinha e espreitando por entre os dedos.
Comecei a imaginar nomes, mas havia qualquer coisa. Qualquer coisa em cada nome que não era o nome para este cão.
Ele continuava a tremer, encolhido. Eu, sentado naquela sala deserta, efeitos da pandemia, em maio de 2020, não sabia o que fazer. Relembrei meu pai, e as sessões de «escolhas de discos» a seguir ao almoço, à hora do café, na minha infância e adolescência. Senti na pele, talvez pelo olhar triste do cão, a Fantasia-Improviso Opus 66.
E decidi dar ao cão o nome desse enorme compositor e pianista.»