logo
Português (pt-PT)English (United Kingdom)
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
  • An Image Slideshow
MUSEUM
COLLECTIONS
EXHIBITIONS
SERVICES AND ACTIVITIES
SHOP
WHAT’S NEW?
INFORMATION

Autenticação

Partilhar

Facebook Image

 Google Arts & Culture

.:: Jovens Solistas da Metropolitana PDF Print E-mail
Sexta-feira, 17 de Dezembro de 2021 // 18:00 h

Jovens Solistas da Metropolitana Recital do Quarteto Ignis, formado por Lúcia Salvado e Miguel Ferreira (violinos), Sara Ramalho (viola) e Hugo Estaca (violoncelo). A entrada é livre.

 

 

PROGRAMA

 

Na década de 1780, Mozart dedicou seis quartetos ao mestre Haydn. O KV 465 foi o último a ser composto e será porventura o mais notável de todos. Tem um caráter inovador e pressagia muito do que veio a ser o seu percurso daí em diante. O início, tenebroso e angustiado, terá impressionado bastante os ouvintes da época e deu origem ao nome por que é conhecido, «Dissonâncias». Depois desses quatro andamentos, podemos ouvir Duas Melodias assinadas por um dos compositores portugueses mais importantes do século passado, Luís de Freitas Branco. São duas peças que foram escritas para as cordas da orquestra em 1909 mas que permaneceram esquecidas até há pouco tempo. Voltaram a ouvir-se em maio de 2006 tocadas pela Orquestra Metropolitana de Lisboa. Ouvimo-las agora numa versão para quarteto de cordas assinada por Miguel Ferreira.

 

WOLFGANG AMADEUS MOZART (1756-1791) – Quarteto de Cordas N.º 19, em Dó Maior, KV 465,Dissonância (1785)
I. Adagio - Allegro
II. Andante cantabile
III. Minuetto: Allegro
IV. Allegro molto

 

LUÍS DE FREITAS BRANCO (1890-1955) – Duas Melodias (1909; arranjo de Miguel Ferreira)
I. Lento
II. Andante

 


JOVENS SOLISTAS DA METROPOLITANA

 

Desenvolvendo uma ponte pedagógica inédita entre a prática e o ensino musical, a Academia Nacional Superior de Orquestra (ANSO) é a única escola do país que forma maestros, instrumentistas de orquestra e pianistas vocacionados para música de câmara. Ao longo dos seus 25 anos, mudou o panorama cultural em Portugal, sendo muitos os seus alunos a entrar nas mais exigentes instituições de ensino e formações internacionais. Mais premiada escola nacional desta área, as novas gerações de intérpretes e diretores musicais que lança são reconhecidas pela qualidade. A música de câmara é uma das vertentes fundamentais da ANSO que, todos os anos, apresenta os Jovens Solistas da Metropolitana. Para ouvir os músicos do futuro, com repertórios de sempre.

 

+INFO: https://www.metropolitana.pt